09 de dezembro de 2018

Banner prefeitura e trabalho 705x90

O Jogo

O básico sobre a defesa

A defesa também uma das subequipes presentes num time de futebol americano, seu objetivo básico é parar o ataque adversário. Nas tentativas de pará-lo, por mérito, podem conseguir forçar erros, os chamados turnovers. Eles são divididos em: interceptação (INTs) , fumble e quarta descida negada. Também são chamados de takeaways, traduzindo literalmente para “tomando de volta”, no caso seria a posse de bola, devolvêndo-a para o seu o QB.

Explicando os turnovers

 Como dito acima, são momentos específicos em que a defesa faz com que a bola mude de posse. Também nesses momentos, no fumble e na interceptação, que eles podem marcar touchdowns. O primeiro acontece quando um jogador ofensivo perde a posse de bola, seja por pancada ou desatenção. Já a interceptação é baseada quando um defensor antecipa um recebedor e “entra na frente”, recebendo o passe no lugar do adversário. Há também outros tipos de INTs, um defensor pula pra desviar a trajetória da bola e a mesma cai em mãos de algum companheiro ou como erro de leitura em rotas específicas que o WR tem que reagir e basear sua rota mediante ao poscionamento defensivo, porém o QB lê outra coisa.

As formações básicas

 Foram anos e anos de evolução para que a NFL apresentasse as formações defensivas que vimos hoje na TV. Sempre adaptando-se ao que de novo aparecia nos ataques, por exemplo, por muito tempo tivemos o 5-2 imperando. Isso, cinco jogadores de linha defensiva (DL) e apenas dois linebackers (LBs). Tudo porque um tal de George Halas inventou uma formação ofensiva chamada T, na qual o QB pela primeira vez ficou undercenter, com três RBs atrás dele, mas não como na formação I, uma das mais famosas. Mas sim lado a lado, como se fossem um espelho da OL. Isso fez com que o QB tivesse várias opções de jogada, podia correr no meio com fullback (um running back responsável por ajudar mais em bloqueios do que correr com a bola) pelo meio (ele fica ensanduichado por dois RBs), toss ou counters para qualquer um dos outros RBs. Isso criou um caos, dando um grande passe para os ataques se aproximarem disso. A resposta foi o supracitado 5-2, apelidado carinhosamente de monstro, pois com os cincos DLs, cobría qualquer espaço disponível para os três RBs brincarem. Voltando aos dias de hoje, temos dois esquemas básicos que imperam em todas defesas: 3-4 e 4-3. Todas baseadas em gaps, que como as holes, são os espaços da OL em que os DLs tem que atacar e conter durante as jogadas. Isso será explicado durante o texto.

Entendendo os gaps

 Eles são os espaços entre os jogadores da linha ofensiva, assim como as holes. A função dos defensores é que nada passe por ali, caso passe, um atraso de meio segundo já faz com que uma defesa disciplinada já esteja mais próxima de parar a corrida.

        LT            LG          C       RG         RT         TE

C              B              A        A          B            C         D

O 4-3

 Como o nome diz, são quatro jogadores de linha e três linebackers. Estes setes jogadores ficam alinhados numa região chamada box, a qual é muito utilizada para explicar alguma coisa. Por exemplo, caso um time queira mesmo parar a corrida, um dos safeties (últimos jogadores da defesa), “desce” ao box, alinhando próximo aos LBs, isso dá uma vantagem de um homem extra. Enfim, estes setes jogadores ficam responsáveis pelos tais gaps supracitados. Mesmo que haja um passe, a responsabilidade primária deles é ver que jogada está acontecendo e reagir, não adivinhar, o mais rápido possível, caso seja corrida, atacam os gaps, mas se for passe, executaram outra tarefa, que será explicado mais adiante. Normalmente, só os linebackers tem responsabilidade extra no passe, os jogadores da linha defensiva não. Por isso, necessita haver uma comunicação entre os mesmos quando a jogada é passe ou corrida, pra facilitar na reação defensiva e tentar parar o que o ataque planeja. Veja abaixo como se dispõe uma defesa 4-3 em campo:

                                            W           M

                               E        T        T           E     S

                                 LT      LG   C   RG   RT   TE

Como podem ver, há letras diferentes para as posições, na DL: E signfica defensive end e T defensive tackle. Já nos outros três os LBs são divididos em três categorias: M, middle linebacker, o cérebro e normalmente capitão da defesa; W, linebacker que alinha ao lado oposto ao do TE (W vem de weak, que é o lado “fraco” da OL), precisa ser rápido e ágil pois é o melhor dos três caso necessite cobrir o jogo aéreo adversário; por fim temos o S, que é o strong linebacker, pois alinha próximo ao lado do TE, que é conhecido como lado forte, pode ou não marcá-lo, bem como ir na blitz. Cada um dos sete, que é também é chamado de front-seven, tem como objetivo um gap, um espaço entre os OLs. Este espaço está presente conforme o que foi colocado acima, numa linha imaginária reta. O DE fraco vai pegar o gap C fraco, que é entre o LT e o TE; o DT fraco pega o gap B fraco, que é entre o LT e LG; oDT forte pega o gap A forte, que é entre o C e RG; por fim, o último DE pega o C forte. Nos linebackers o W, também chamado de Will pra facilitar o entendimento, pega o A fraco; o M, carinhosamente chamado de Mike, é o responsável pelo B forte; já o S, chamado de Sam linebacker, fica com o D forte, que é por fora do TE. O termo forte e fraco vai variar conforme o lado em que o TE esteja em campo, caso o mesmo não participe do ataque, a defesa já sabe qual lado é escolhido nestas situações.

3-4 e sua confusão

 Como o narrador da sessão da tarde adora descrever os filmes que passarão, a função desta formação é “mascarar” o quarto (até quinto) jogador que irá na blitz, pois os três DLs ficam basicamente responsáveis por dominar a linha, devido ao fato de que agora eles ficarão responsáveis por dois gaps. Um fator fundamental neste tipo de defesa é o NT, nose tackle, o único tackle presente na linha. Ele precisa ser grande, muito grande, mesmo. Mas não só pesado, precisa ser técnico, forte e esperto. Como é o responsável por dois deveres e, normalmente, ser o melhor jogador da DL, sofrerá bloqueio duplo. Por causa disso, ele terá que ler que jogada que está acontecendo, no caso de uma corrida, e se a mesma for pro seu gap, terá que usar seus próprios bloqueadores ou seu pequeno corpo mesmo, para contê-la. Claro que os linebackers atrás dele, nesta defesa chamamos de inside, ajudarão também. Todavia se um dos DLs que tome o bloqueio duplo falhe em conter os bloqueadores (sim, normalmente em bloqueios duplos um dos OLs sai logo em seguida pra pegar um LB ou safety), e ainda o linebacker que sofrer o bloqueio deste cara da OL (ou até um fullback) que vem como um trem desgovernado, problemas acontecerão. Como a linha defensiva agora é composta por jogadores com dois gaps, os ILBs, ficarão responsáveis por ler e perceber qual dos gaps (normalmente As e Bs) estão mais expostos, estando prontos para desviar de um FB/OL ou pegar o RB vindo por ali. Já os linebackers mais abertos, os outsides, ficam restritos aos gaps mais externos, mas um deles irá na blitz querendo pegar o QB. A graça deste esquema é esse, quem virá? Um dos OLBs? Um dos ILBs? Um safety que desceu ao box?

                                                I           I

                                O    E         NT        E              O

                                  LT     LG    C   RG    RT   TE

Neste desenho agora, os Ends ficarão com os gaps Bs e Cs, os O de outside linebackers com os C e D, o pequenino NT com os As e os Inside linebackers cobrirão os As e Bs. Esta distribuição pode variar, mas normalmente o básico é esse, ainda com um ou dois linebackers podendo ir pra blitz, pois como os DLs têm dever duplo, na teoria isso habilitaria uma agressividade da defesa.

Qual o melhor esquema?

Não dá pra falar qual é o melhor, pois eles devem ser aplicados mediante aos jogadores que você tem no seu elenco. Uma análise básica dos últimos 13 campeões da NFL e suas defesas base:

Baltimore Ravens 2000/12 – 4-3, 3-4;

New England Patriots 2001/03/04 – 3-4;

Tampa Bay Buccaneers 2002 – 4-3;

Pittsburgh Steelers 2005/08 – 3-4;

Indianapolis Colts 2006 – 4-3;

New York Giants 2007/11 – 4-3;

New Orleans Saints 2009 – 4-3;

Green Bay Packers 2010 – 3-4;

O 3-4 tem uma leve vantagem, o que demonstra que isso não influencia em nada, só que os times que a usaram tinham defesas fortes, bem como os outros que possuíam um DL a mais posicionado. 


versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo